Governo entrega quadriciclos e reforça extrativismo na região do Jari

Extrativistas das reservas sustentáveis de São Francisco do Rio Iratapuru e Cachoeira de Santo Antônio, terão reforço no escoamento da produção com a chegada de dois quadriciclos na região. Os veículos foram entregues nesta terça-feira, 6, na sede do Instituto do Desenvolvimento Rural do Amapá (Rurap), no município de Laranjal do Jari, distante 270 quilômetros da capital amapaense. É a primeira vez que o Estado financia esse tipo de veículo no Amapá.

Os quadriciclos foram adquiridos por meio de financiamento do Fundo de Desenvolvimento Rural do Estado (Frap), através da Agência de Fomento do Amapá (Afap) no valor de R$ 30,5 mil e ajudará na colheita da castanha, principal atividade extrativista na região sul do Amapá. Os veículos vão facilitar o acesso aos ramais, diminuindo o tempo e o esforço dos produtores da castanha do Brasil.

“Esse transporte é motivo de mudança de vida. Agora, não vou mais carregar sacas de castanhas nas costas. Com menos peso, vou poder trabalhar mais para conseguir pagar, em dia, o financiamento. É um instrumento caro e necessário que não temos como comprar e agradeço por essa oportunidade de poder adquirir”, destacou o extrativista João Benício Gonçalves.

O outro castanheiro contemplado foi Juliel Gomes da Silva, morador da reserva sustentável São Francisco do Rio Iratapuru. Ele conta que o quadriciclo ajudará bastante no escoamento da produção dentro da floresta, que por causa da distância, se tornava difícil transportar os produtos. “A ideia de comprar o quadriciclo foi para tirar o peso das costas, pois estava sofrendo dores na coluna”, declarou.

O diretor-presidente do Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá (Rurap), Hélio Dantas, informou que recebeu dos extrativistas o projeto para aquisição dos veículos. A partir disso, encaminhou o pedido para análise da Afap que, por sua vez, liberou o financiamento através do Frap. “O governo está de portas abertas para receber as demandas de produtores de norte a sul do Amapá”, afirmou.

Castanha

O produto coletado atinge, em média, 700 hectolitros durante a safra e é processado para uso cosmético. Transformada em óleo, a castanha é comercializada por grandes empresas multinacionais.


Por: Por: Iracilda Tavares .Colaboradores: Ernandes Oli - 08/03/2018 - 09:21
Fonte : Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá