Governo capacita ribeirinhos para aumentarem produção de açaí em suas propriedades
Além de aumentar a produção de frutos, o manejo de açaizais proporciona a expansão do período de colheita

Cerca de 60 famílias que moram na comunidade de Ipixuna Miranda no município de Macapá, que tem como base de sua economia o extrativismo, mais especificamente o açaí, estão participando de uma capacitação sobre as boas práticas na colheita, transporte, manipulação, armazenamento e riscos envolvidos na cadeia do produto.

Iniciada na última segunda-feira, 30, a capacitação dura cinco dias com aulas teóricas e práticas nas áreas de açaizais nativos da comunidade. O evento é conduzido por técnicos do Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá (Rurap) e encerra na sexta-feira, 4.

Durante o curso, destaca-se o envolvimento dos participantes nas práticas de demarcação de áreas para manejo, remoção de touceiras (árvores de açaí), seguindo as recomendações técnicas adequadas. E, assim, possibilitando elevar a produtividade média para até seis toneladas por hectare. “Em áreas manejadas de forma inadequada, a média fica em torno de duas toneladas por hectare", explica o chefe de gabinete do Rurap, Sergio Barbosa.

Barbosa ressalta que, além de aumentar a produção de frutos, o manejo de açaizais proporciona a expansão do período de colheita e, com isso, o aumento da renda das populações extrativistas destas regiões.

De acordo com o técnico extensionista e facilitador da capacitação, Henrique Szymanski, os ribeirinhos estão recebendo, ainda, orientações sobre a importância da água para consumo e durante o processo de manipulação do açaí. “Além de ser utilizada como base para a produção, a água também é fundamental como agente de sanitização e limpeza”, orienta.

Szymanski ressalta que a importância de passar esses conhecimentos aos produtores ribeirinhos que já trabalham com a colheita e produção de açaí, é porque vai melhorar a qualidade do produto.

“Eles já atuam nesse ramo, mas muitos ainda desconhecem as práticas corretas de colheita e, principalmente, os riscos à saúde durante o processo que envolve, desde a colheita até a comercialização”, detalha o técnico extensionista.

O Rurap conta ainda com a parceria do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Amapá (Senar/AP), que tem a missão de desenvolver a formação profissional rural.


Por: Comunicação Institucional/RURAP - 03/05/2018 - 09:45
Fonte : Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá